Como escolher um fisioterapeuta para pessoas com deficiência?

como-escolher-um-fisioterapeuta-para-pessoas-com-deficiencia.jpeg

Sabemos que, de modo geral, o fisioterapeuta é um profissional que atua no tratamento de funções motoras e disfunções funcionais de órgãos e sistemas. Por isso, é comum associarmos a fisioterapia à reabilitação de pacientes que tiveram algum tipo de trauma após acidentes.

Contudo, a verdade é que o trabalho do terapeuta vai muito além disso. Inclusive, há hoje um grande mercado de fisioterapeuta para pessoas com deficiência. Ainda, o especialista atua também na prevenção de problemas ou complicações relacionadas às funções motoras e lesões.

Portanto, seu papel é fundamental para pessoas com deficiência, que podem contar com sua ajuda para terem maior bem-estar no dia a dia. E, nessas horas, uma dúvida comum que pode surgir é saber como escolher um fisioterapeuta que atenda às necessidades de cada indivíduo.

Afinal, cada paciente tem um histórico diferente que exige soluções personalizadas. Por isso, para te ajudar a selecionar um terapeuta, vamos esclarecer neste post alguns pontos que podem facilitar essa decisão tão importante. Confira!

Por que é preciso fazer fisioterapia, e como o profissional pode me auxiliar?

Nos casos em que a pessoa tem comprometidos os membros inferiores, ela pode enfrentar algumas dificuldades específicas, como incontinência urinária e fecal, por exemplo. Nesses casos, as sessões de fisioterapia trabalham os movimentos abdominais, aliviando esse tipo de inconveniente.

Há também a fisioterapia motora, ideal para cadeirantes conseguirem entrar e sair da cadeira de rodas. Ela é indicada ainda para que o indivíduo consiga mudar de posição enquanto estiver deitado, e aprender a posicionar o corpo no dia a dia para que não tenha contrações musculares.

De toda forma, o profissional auxilia o paciente a ser mais independente e, quando possível, busca a reversão parcial ou total das funções motoras.

Benefícios dos exercícios físicos e acompanhamento

Nas situações em que não há possibilidade de reversão do quadro, o profissional pode inserir exercícios físicos na vida da pessoa com deficiência. Isso porque a atividade traz diversas vantagens, como mais energia e força, redução de fadiga e diminuição de estresse.

Para reduzir as chances de lesões, o alongamento é indicado para esticar músculos da parte superior do corpo, no caso de pessoas que tenham movimento na região, seja total ou parcial.

Quanto as pessoas com perda parcial dos membros, o indicado é fazer musculação para fortalecer o braço, com a finalidade de realizar tarefas sem sentir dores e compensar a ausência do outro membro. E o mesmo deve ser feito com pacientes que tenham perda parcial na parte inferior do corpo.

Como devo avaliar o fisioterapeuta para pessoas com deficiência?

De fato, para quem nunca precisou desse tipo de serviço, é comum não saber como procurar um fisioterapeuta.

O primeiro passo é pedir a indicação de um profissional com pessoas que tenham uma deficiência semelhante. Ou, então, pedir ajuda para um médico com acesso a mais detalhes do histórico de saúde do paciente.

Além disso, há alguns detalhes que devem ser considerados. Para poder atuar na profissão, o especialista deve estar inscrito no Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

E, depois de verificar a inscrição no COFFITO, é preciso analisar também se o fisioterapeuta segue os procedimentos de higiene e segurança durante a prestação de serviço.

Se o tratamento for realizado em casa, busque orientação sobre a estrutura ideal para a realização dos procedimentos. Pode ser necessário adaptar o ambiente ou comprar equipamentos.

Já para terapias feitas no espaço do próprio profissional, atente-se ao estado dos aparelhos e demais objetos usados, para saber se estão com a manutenção em dia.

Por fim, é necessário procurar um profissional que trabalhe de forma positiva em relação ao tratamento, estimulando a pessoa com deficiência e deixando-a confortável durante a terapia. Então, analise o seu histórico para saber se ele já tem experiência com pacientes com deficiência física. Em caso positivo, peça referências.

Bom, todos esses aspectos devem servir como parâmetros para a sua decisão, mas ainda é preciso verificar que tipo de tratamento é indicado pelo profissional.

Quais são os tipos de tratamento para pessoas com deficiência?

Antes de iniciar o tratamento, o fisioterapeuta faz uma avaliação, examinando o paciente e fazendo alguns testes. Em seguida, ele consegue compreender melhor as necessidades do indivíduo e trabalha com a terapia mais adequada para cada caso.

E, para isso, o profissional leva em consideração a rotina da pessoa com deficiência e seus hábitos. Afinal, além do corpo e seus movimentos, o estado emocional é outro fator essencial para a avaliação, já que cada indivíduo reage de forma diferente em relação à deficiência.

Ao escolher o fisioterapeuta ideal, então, um possível indicador é a sua especialidade em determinado tipo de terapia. Por isso, vejamos agora os tratamentos mais indicados para pessoas com deficiência.

1. Cinesioterapia

Esse tratamento se dá por exercícios e movimentos estimulantes do sistema muscular, respiratório, esquelético e nervoso. Seu objetivo principal é manter, desenvolver ou restaurar a resistência, a flexibilidade e a força musculares.

Assim, dependendo da capacidade motora da pessoa com deficiência, os exercícios podem ser ativos — realizados pelo paciente — ou passivos — feitos com o intermédio do fisioterapeuta.

2. Fisioterapia respiratória

Em situações de lesão cerebral ou do sistema motor de braços e pernas, os movimentos respiratórios podem ser comprometidos. Nesse caso, a pessoa tem a necessidade de aprender novamente a respirar de forma correta, tendo a ajuda do profissional. O tratamento é feito com equipamentos, exercícios e técnicas manuais.

3. Fisioterapia neurológica

Trata-se de um tratamento para deficiências provocadas por lesões ou doenças que atingem o sistema nervoso. Aqui, o fisioterapeuta estimula o paciente a realizar movimentos e funções em áreas não afetadas pela doença ou lesão. Os exercícios são voltados para a restauração da coordenação, equilíbrio e força.

4. Fisioterapia traumato-ortopédica-funcional

Por fim, essa terapia tem como foco os problemas causados por doenças reumatológicas e traumatismos. E o seu objetivo é a recuperação de movimentos, o alívio de dores, a melhora na circulação sanguínea e a reeducação postural.

Enfim, esperamos que este artigo tenha te ajudado a saber mais sobre o papel do fisioterapeuta para pessoas com deficiência. Afinal, esse especialista pode trazer mais autonomia e independência para o paciente, por isso, é fundamental saber selecionar um terapeuta que passe confiança e profissionalismo.

E aí, gostou do artigo? Acha que ele pode ser útil para outras pessoas do seu círculo de amizade? Então, aproveite para compartilhá-lo em suas redes sociais!